domingo, 24 de junho de 2012

FILME CISNE NEGRO - BLACK SWAN
 



Todos nós, temos um lado “sombrio”, um lado “negro” de nossa personalidade que na maioria das vezes não queremos ver, reconhecer, admitir, enfim “integrar”. O pior dessa história reside no fato de quanto mais resistirmos a nossa “sombra”, mais nossa jornada (individuação) se torna difícil e penosa.
No filme Cisne Negro, podemos perceber o quanto uma pessoa que passou a “vida toda” negando, resistindo sob a influência de uma mãe controladora, seu outro lado.
A jovem bailarina Nina é escalada, ganha o papel para ser a bailarina principal e representar o Cisne Negro. Ela exibe com leveza, grandiosidade e “perfeição” o Cisne Branco, porém, o Cisne Negro ela tem grande dificuldade de interpretar, uma vez que remete seu lado que fora e é “negado” por ela.
O filme mostra com cenas fortes e de tirar o fôlego, uma jovem que vai a cada dia tendo que “enfrentar” seu lado sombrio, que acaba exigindo dela se libertar da influência nefasta de sua mãe (complexo materno), exigindo que ela se torne também uma pessoa forte e que saiba dizer não quando for necessário, que exige que ela se torne adulta, mulher provocante e ousada, que tenha autonomia, que não seja “boazinha”, “cordeirinho” de ninguém e possa cresçer em todos os sentidos, lutando por seus objetivos, se livrando “da sombra” da mãe, para poder ser ela mesma.
Ela conta com a grande ajuda de uma amizade permeada por competição e rivalidade e a do diretor do balé para instigar e ajudá-la a “liberar”, integrar aspectos de sua personalidade que ela nega e resiste inconscientemente, como ser provocante, ousada, que tenha coragem para se soltar e tornar-se ela mesma, levando Nina de encontro a sua sombra.
Com isso, ela entra em conflito consigo mesma (sempre necessário no processo), com sua mãe, com suas crenças e aos poucos vai integrando o seu outro lado e podendo ser uma pessoa mais completa, mais verdadeira, tornando-se quem ela realmente é (Self) e não uma marionete da mãe, uma máscara em tempo integral onde quer que ela vá.
Quanto mais nos conhecermos, quanto mais aceitarmos que também temos um lado as vezes egoísta, maldoso, rude, medroso, vaidoso etc, melhor nos relacionaremos com nós mesmo e claro, com os outros, uma vez que iremos diminuir consideravelmente nossas projeções, nossos próprios conteúdos inconscientes (sombra) nas pessoas. C.G.Jung diz: “Conhecer a sua própria escuridão, é o melhor método para lidar com a escuridão dos outros”. Do contrário, podemos entrar em contato com o potencial ameaçador e destrutivo da sombra (psicoses, depressão, angustias, fobias etc), além do fato de que será sempre o outro o mesquinho, egoísta etc.
Vale ressaltar que em nossa sombra, não existe apenas aspectos que consideramos negativo, consiste também de aspectos e qualidades consideradas positivas, só que não desenvolvidas em nossa personalidade dominante (ego), como talentos e potenciais dos mais variados.
Reconhecer em nós mesmo nosso lado sombrio, nos ajudará a ser uma pessoa melhor em todos os sentidos, uma vez que sempre que deixamos de ser realmente quem somos, iremos sofrer: “O que não enfrentamos em nós mesmo, encontraremos como destino” C. G. Jung.

terça-feira, 19 de junho de 2012



RELIGIOSIDADE E CURA: A fé como auxiliar no enfrentamento criativo da doença.
RELIGIOSITY AND HEALS:   Faith and creative help in fighting the disease

Autor: Edilson Oliveira Braga, Joyce Roberta dos Santos e Izildinha Konichi

Neste estudo, abordaremos a questão da religiosidade/espiritualidade e sua possível influência no processo de cura, discutindo o quanto ter fé é relevante na cura. Nossa pesquisa discutirá a grande importância da religiosidade/espiritualidade para o ser humano. 
Partimos do pressuposto de que a fé é importante auxiliar no processo cura uma vez que a necessidade de crer em algo que transcenda o ego é, segundo a psicologia analítica, um fator arquetípico.
Por meio de uma revisão de literatura, elaboraremos uma pesquisa teórica levando em consideração os pressupostos da psicologia analítica sobre a temática.
Palavras-chave: fé, cura, religiosidade, espiritualidade.  

Abstract
In this study, we Will approach the questiono f the religiosity/spirituality and its possible influence in the cure process, arguing how much to have faith is excellent in the cure. Our research will argue the great importance of the religiosity/spirituality for the human being.
We leave of the estimated one of that the faith is important to assist in the process cure a time that necessity to believe in that it exceeds the ego is, according to analytical psychology, a arquetípico factor.
By means of a literature revision, we will elaborate a theoretical research taking in consideration the estimated ones of analytical psychology on the thematic one.
 Key words: faith, cure, religiosity, spirituality.

Aos interessados nesse artigo que trata da temática Fé e Cura, enviarei mediante solicitação. 




sábado, 16 de junho de 2012


 
Alcoolismo

O consumo de álcool faz parte do cotidiano de grande parte da população mundial e seus efeitos e risco à saúde vem sendo observados e estudados em diferentes países. O uso do álcool é cultural, permitido em quase todas as sociedades do mundo todo. Propagandas são inclusive, cada vez mais chamativas, o que pode colocar em risco a população de maior risco para o consumo, que são os adolescentes e os adultos jovens.
Os problemas relacionados ao álcool são responsáveis por mais de 10% dos problemas totais de saúde no Brasil (Meloni e Laranjeira, 2004).
            De acordo com o Ministério da Saúde (2004), o Alcoolismo é o maior problema de Saúde Pública:
”O uso do álcool impõe às sociedades de todos os países uma carga global de agravos indesejáveis e extremamente dispendiosos, que acometem os indivíduos em todos os domínios de sua vida.”

            O uso abusivo de álcool, também causa mais anos perdidos de vida, seja por mortes ou prejuízos de diversas naturezas, mais do que o uso de tabaco e outras drogas ilícitas (WHO, 2004).    
            Segundo (Griffith Edwards et al; 2005), o consumo abusivo e prolongado de álcool, pode ser a causa para alguns transtornos neuropsiquiátricos, como “Delirium tremens, Alucinose alcoólica, transtorno psicótico com delírios, síndrome Wernicke-Korsakoff” entre outras.  
Em se tratando do físico, destaque para: distúrbios gastrenterológicos – Esteatose (Fígado gorduroso), Hepatite alcoólica e Cirrose alcoólica. Além de Pancreatite crônica, gastrite, úlcera péptica, Cânceres, doenças cardiovasculares, encefalopatia hepática, distúrbios metabólicos etc (Griffith Edwards et al; 2005).
Um amplo estudo no Brasil, aponta que em 2005, o uso na vida de Álcool nas 108 maiores cidades do País foi de 74,6%, porcentagem maior que em 2001 com 68,7%. Comparando com outros países, foi inferior aos 86,5% no Chile e 82,4% nos EUA. Ainda no mesmo estudo, no ano de 2005, a prevalência de entrevistados classificados como dependentes de álcool alcançou 12,3% da amostra, sendo maior para o sexo masculino (19,5%) do que para o feminino (6,9%). A proporção de dependentes de álcool em relação ao uso na vida mostra que, aproximadamente, para cada seis pessoas do sexo masculino que faz uso na vida de álcool, uma fica dependente. A proporção para o feminino é de 10:1. (Carlini, E.A; et al 2005).
Apontado, como maior problema de saúde pública, o uso, abuso ou a dependência de álcool, requer portanto um diagnóstico preciso, bem como um tratamento adequado para um melhor prognóstico.


           
           
            Aos interessados, posso enviar o artigo completo mediante solicitação.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Sejam Todos Bem Vindos

Olá pessoal, começo hoje meu blog com a finalidade de apresentar reflexões voltadas a psicologia e tudo que a envolve. Espaço que pretendo deixar aberto para discussão com respeito e ética. Responderei a todos. Obrigado

I LOVE RIVOTRIL A cada dia mais me deparo com a droga do momento, a droga que promete devolver a paz e o equilíbrio psíquico as pe...